Bem Vindo ao Aish Brasil
 
   Mundo Judaico
   Sociedade Hoje
   Espiritualidade
   Família
   Relacionamento
   Literatura Judaica
   Holocausto
   Meor HaShabat
   Festas Judaicas

 Fazendo o Omer...

 Simbolismo do Shofar

 Elul

 Tisha be Av...

 Tisha be...

 Um Mistério...

 O ABC de Shavout
 Lembrando-se do...
 Leis do Seder
 Pessach - príncipios...
 Pessach - Uma ...
 A história das duas...
 Purim a força...
 o ABC Purim
 17 de tamuz
 o período das trê...
 Tisha Be AV...
 o mês Elul
 Rosh Hashaná
 Yom Kipur
 Sucot - As leis...
 Sucot - O feriado...
 oque é Chanuká?
 os segredos do...
   Programação
   Cursos
   Quem Somos
   Fotos
   Videos
   Cadastre-se
   Pergunte ao
Rabino
   Kotel ao vivo
   Celebridade

 

Rosh HaShaná

A oportunidade de Rosh Hashaná é importante demais para deixar as coisas nas mãos da sorte. Aqui há uma boa lista do que você precisa saber.
Baseado em pesquisas do Rabino Moshe Lazerus

ANTES DE ROSH HASHANÁ
Um componente importante da preparação de Rosh Hashaná é pedir perdão às pessoas que ofendemos, desonramos ou com as quais não agimos da maneira correta durante o ano anterior. Da melhor forma possível, queremos começar o ano com um estado de alma limpa e sem que ninguém guarde nenhum rancor contra nós. As pessoas também devem agir rapidamente perdoando àqueles que as ofenderam ou não as trataram corretamente.
Muitas pessoas têm o costume de ir ao mikvé antes de Rosh Hashaná, depois do meio-dia. O mikvé, que tem o poder de purificar contra certos tipos de impurezas espirituais, é uma importante parte do processo de teshuvá.
Alguns têm o costume de ir ao cemitério na manhã de Rosh Hashaná e rezar na sepultura dos justos. Obviamente, não rezamos "para" a pessoa justa e sim só para D'us, que ouve nossas orações em mérito do justo.
Na manhã que precede Rosh Hashaná, fazemos "Hatarat Nedarim" ou seja, anulação de todas as nossas promessas. Na Torá, dizer algo tão simples quanto "eu não comerei mais doces" pode ser considerado uma promessa ou juramento legal. Então, antes de Rosh Hashaná, anulamos quaisquer promessas, sendo elas feitas intencionalmente ou não. Isto é feito estando na frente de três homens adultos (ou 10, se possível), e pedindo para ser liberado das promessas e juramentos que foram feitos. O texto completo pode ser encontrado num Sidur ou no Machzor de Rosh Hashaná.A REFEIÇÃO FESTIVA
Durante os Feriados Sagrados, uma chalá redonda é usada, simbolizando a abundância e acabamento. Depois de fazer a benção do "Hamotzi", é costume imergir o pão no mel, simbolizando, desta forma, nossa oração para um ano mais doce.
Então, depois de comer a maior parte da fatia de pão, pegamos uma maçã e colocamos no mel. Fazemos uma bênção na maçã (desde que "Hamotzi" não cobriu a maçã) e comemos um pedaço da maçã. Então fazemos a berachá: "Que seja Tua vontade, Hashem nosso D'us e D'us de nossos pais que tenhamos um ano bom e doce".
Por que pedimos por um "ano bom" E "doce"? A palavra "bom" já não inclui o "doce"?
O Judaísmo ensina que tudo o que acontece é para o bem. Tudo faz parte da vontade Divina. Até coisas que podem parecer "ruins" aos nossos olhos são, de fato, "boas". Então, quando pedimos a D'us por um ano "doce" (além de bom), é porque sabemos que tudo será para o bem, mas também pedimos que este seja um bem "revelado", isto é, um que seja "doce" para nós.
Em Rosh Hashaná acrescentamos o parágrafo Ya'lé V'iavó na benção após a refeição (Bircat Hamazon).COMIDAS SIMBÓLICAS
Em Rosh Hashaná comemos alimentos que simbolizam coisas boas que esperamos para o próximo ano. Nós meditamos sobre o que estes alimentos simbolizam, e nos conectamos com a Fonte de todas as coisas boas.
Os alimentos simbólicos são baseados num jogo de palavras que conectam o nome de um certo alimento à esperança que temos para o ano que virá. Eis uma lista do Talmud de alimentos simbólicos que costumamos comer em Rosh Hashaná. (O alimento e o seu significado estão escritos em letras maiúsculas).
Antes de comer ALHO-PORRO ou REPOLHO, dizemos "Que seja a Tua vontade, Hashem nosso D'us e D'us de nossos pais, que sejam ELIMINADOS os nossos inimigos, aqueles que nos odeiam e todos aqueles que querem nosso mal".
Antes de comer as BETERRABAS, dizemos: "Que seja Tua vontade, Hashem nosso D'us e D'us de nossos pais, que sejam AFASTADOS os nossos inimigos, aqueles que nos odeiam e todos aqueles que querem o nosso mal".
Antes de comer TÂMARAS, dizemos: "Que seja a Tua vontade, Hashem nosso D'us e D'us de nossos pais, que sejam EXTERMINADOS os nossos inimigos, aqueles que nos odeiam e todos aqueles que querem o nosso mal".
Antes de comer a ABÓBORA, dizemos: "Que seja a Tua vontade, Hashem nosso D'us e D'us de nossos pais, que se ANULEM todos os maus decretos decididos para nós e que sejam LIDOS nossos méritos perante o Senhor".
Antes de comer a RÕMÃ, dizemos: "Que seja a Tua vontade, Hashem nosso D'us e D'us de nossos pais, que sejamos repletos de mitsvot da mesma forma que a ROMÃ é repleta de grãos".
Antes de comer a CEBEÇA DE CORDEIRO ou PEIXE, dizemos: "Que seja a Tua vontade, Hashem nosso D'us e D'us de nossos pais, que sejamos colocados na CABEÇA e não na  cauda.ORAÇÕES DE ROSH HASHANÁ
Pelo fato de existirem muitas orações específicas em Rosh Hashaná, usamos um livro de oração especial chamado "Machzor".
Na "Amidá" e no "Kidush" de Rosh Hashaná, dizemos a frase Yom Teruá. Porém, se Rosh Hashaná cai no Shabat, dizemos Zichron Teruá ao invés de Yom Teruá. (Se, por acaso for dita a frase errada, não é necessário repetir a frase).
A súplica "Avinu Malkeinu" deve ser dita em Rosh Hashaná, exceto quando Rosh Hashaná e Shabat coincidirem, pois súplicas não são ditas em Shabat. Se Rosh Hashaná cair numa sexta-feira, "Avinu Malkeinu" não é falado em Minchá.
Durante os Feriados Sagrados, a cortina na arca passa a ser branca, simbolizando, assim, que nossos "erros serão embranquecidos como a neve".
O chazán (o solista) nos Feriados Sagrados não deve ser escolhido somente pelos seus talentos vocais. Normalmente, o chazan deve passar dos 30 anos de idade, ser temente a D'us, entender bem a Torá, ser humilde e casado. Um homem estudado menor de 30 anos, mas com as outras qualificações é aceito. Entretanto é preferível permitir um chazán que não seja tão capacitado para liderar a reza, em vez de causar discussão acerca deste assunto na comunidade.
Há, também, o costume de comer uma fruta nova ou vestir uma roupa nova e dizer a berachá de She'hechianu. Ao dizer esta berachá, deve-se ter em mente também a mitzvá de acender as velas, o "Kidush" e ouvir o shofar.O SHOFAR
A principal mitzvá de Rosh Hashaná é ouvir o toque do shofar. Os toques do shofar que sucedem a leitura da Torá são chamados de "Tekiot M'iushav".
A obrigação pela Torá é de, no mínimo, ouvir nove toques. Porém, há uma dúvida se o som do shofar deve ser do tipo de um lamento (Shevarim), ou de um choro (Teruá), ou uma combinação (Shevarim-Teruá). Então, são feitos esses três tipos de toques, sendo cada um deles precedido e seguido por um toque longo (Tekiá). Três dessas combinações resultam em 30 toques no total, que são necessários para que não haja dúvidas acerca do cumprimento do preceito da Torá.
É comum tocar o shofar no mesmo lugar em que a Torá é lida, de forma que o mérito da Torá nos sustente. O shofar deve ser tocado durante o dia. Antigamente, quando os Romanos perseguiram os judeus, os rabinos instituíram o toque do shofar antes de Mussaf, pois os Romanos mantinham guardas nas portas das sinagogas durante a manhã.
A pessoa que tocará o shofar deve estar de pé. Ele é instruído antes de tocar a ter a intenção de cumprir a mitsvá de tocar o shofar para todos os presentes. Da mesma forma, todos aqueles que ouvem o toque do shofar devem estar cientes de cumprir a mitsvá de ouvir o shofar.
Antes de tocar, duas bênçãos são recitadas: "para ouvir o som do shofar" e She'hehianu. Depois que as bênçãos foram feitas, não se pode falar até o fim do toque do shofar.
As mulheres podem tocar o shofar e dizer a bênção para poder cumprir a mitzvá. Uma criança que já tenha idade suficiente para entender o significado da mitzvá deve ouvir o shofar.
O shofar não é tocado quando Rosh Hashaná cai no Shabat.
O shofar usado em Rosh Hashaná deve ser feito a partir das curvas do chifre de um carneiro, e ser maior do que quatro polegadas. É permitido utilizar o shofar de um animal que não foi ritualmente sacrificado. Qualquer shofar é aceitável, com exceção do feito com chifre de uma vaca, boi ou um animal que não seja casher.
Na reza da "Amidá" de Mussaf, há três berachot (bênçãos) especiais: Malchiot (louvores a D'us, o Rei), Zichronot (pedir a D'us que Se lembre dos méritos de nossos Antepassados), e Shofrot (o significado do shofar). Durante a repetição do chazan, são tocados mais 30 toques, de variadas combinações.
É o costume tocar 40 toques extras no fim dos serviços religiosos, somando o total de 100 toques. É comum prolongar o último toque, que é chamado de Tekiá Guedolá.OUTROS COSTUMES
É comum saudar as pessoas desta forma: "Shana Tová -- Ketivá v-chatimá Tová". O que significa: "Um bom ano - Que sejam escritos e selados para o bem (no Livro da Vida)".
Deve-se evitar dormir ou fazer caminhadas prolongadas no dia de Rosh Hashaná. (O Arizal permite um cochilo à tarde).
É aconselhável evitar relações matrimoniais, com exceção ao fato de Rosh Hashaná cair na noite da imersão da esposa.
Se um Brit Milá cai em Rosh Hashaná, deve ser feito entre a leitura da Torá e os toques do shofar.

TASHLICH
A oração de "Tashlich" é recitada na primeira tarde de Rosh Hashaná, próximo a um rio ou fonte de água que, de preferência, tenha peixes. Estas orações simbolizam que nos livramos completamente de nossos erros. Obviamente é tolice pensar que nos libertamos de nossos pecados somente agitando nossos bolsos para fora. A abordagem judaica é de introspecção e compromisso para mudar. Realmente, a idéia do "Tashlich" é, em parte, recordar o Midrash que diz que quando Abraão foi fazer a Akedá (sacrifício de Isaac), teve que passar pela água que chegava até seu pescoço.
Se Rosh Hashaná cair no Shabat, o "Tashlich" é adiado para o segundo dia. Se o "Tashlich" não for feito em Rosh Hashaná, pode ser feito a qualquer hora durante os Dez Dias de Arrependimento.
A água e o peixe são simbólicos. Na literatura talmúdica a Torá é representada pela água. Da mesma maneira que os peixes não podem viver sem água, os judeus não podem viver sem a Torá.
E também, o fato de que os olhos do peixe nunca se fecham serve para nos lembrar que os Olhos de D'us (por assim dizer) nunca se fecham; Ele sabe de todos os nossos movimentos.
Este é o texto de "Tashlich:"
Quem é D'us como tu, ó Eterno, que perdoa a iniqüidade e deixa passar as transgressões dos remanescentes de Sua herança, e que não guarda ira pois pratica a benevolência? Tornará a nos mostrar misericórdia e encobrirá nossas iniqüidades, e arremessará nas profundezas do mar todos os pecados de Israel. Tu deste a verdade a Jacob, mercê a Abraão, conforme juraste a nossos pais nos antigos dias.
Invoquei o Eterno na angústia; o Eterno me ouviu e me tirou para a amplitude. O Eterno está comigo; não temerei o que me pode fazer o homem. O Eterno está comigo com aqueles que me ajudam; pelo que verei cumprido o meu desejo sobre os que me aborrecem. É melhor confiar no Eterno do que confiar nos príncipes. "Não farão dano nem destruirão em todo Meu santo Monte, porque a terra será cheia de conhecimento do Eterno, assim como as águas cobrem o mar".
Muitas pessoas também costumam ler os Salmos 33 e 130